segunda-feira, 20 de maio de 2019

A história da Rancheira


A Rancheira é uma versão da mazurca, muito divulgada no século XIX em toda a comunidade europeia. Este ritmo é também muito conhecido no sul da Argentina como ranchera ou, inicialmente, “mazurca de rancho”.

No Rio Grande do Sul, segundo Paixão Cortes e Babosa Lessa, a divulgação deste ritmo se deu em maior escala com o aparecimento do rádio, sendo uma versão regional da mazurca polonesa.

Foto: ABC do Gaúcho


Sua coreografia é executada de três maneiras: primeiro como uma espécie de valsa, típica da fronteira; depois, à maneira serrana, a rancheira sendo dançada com maior vitalidade, com forte marcação na primeira batida; finalmente, ela é dançada no litoral, onde sua forma mais usada é a marchadinha, ou seja, com passos duplos de terol.

Segundo Paixão Cortes e Barbosa Lessa são passos duplos de marcha, quando o homem empurra e puxa a mulher e onde o par se segura nos cotovelos, como a Chimarrita Balão (dança do folclore gaúcho).

Na primeira maneira de dançar, ou seja, na rancheira da fronteira, a marcação é como valsa, mas com a diferença de que é feita uma forte marcação no primeiro passo, no tempo mais forte da música, esta maneira é mais utilizada na fronteira do Estado.

A segunda é a rancheira serrana, cujo passo é executado saindo do chão, com vitalidade e sendo mais pulada, mas mantendo os passos da primeira. A diferença está na execução.

A terceira marcação possível é a de utilizar sua coreografia é de forma puladinha ou marchadinha, como a utilizada no litoral do Rio Grande do Sul.

Para ilustrar o estilo da Rancheira, te aprochega e confira o clipe da música “Só Dá Rancheira” do Grupo Minuano:


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Muito obrigado por sua participação. Seu comentário será publicado em breve. Publicamos nossos posts novos lá no Facebook - caso desejar deixar seu comentário por lá e seguir o blog, o Repórter Riograndense te espera!