domingo, 20 de setembro de 2015

De Bota e Bombacha


Desde de criança o Repórter Riograndense sempre gostou da música gaúcha. Cresci ouvindo Teixeirinha, José Mendes, Os Monarcas, Os Serranos, mas o meu grupo favorito da música gaúcha sempre foi o Tchê Garotos.

Há 10 anos, o Tchê Garotos revolucionou a música gaúcha criando um novo estilo musical chamado de Tchê Music. Muitos tradicionalistas foram contra esse estilo que misturava música gaúcha com muito swing, percurssão e batidão.
Nova formação do Tchê Garotos usando pilchas.

Muitos grupos aderiram a tchê music como Garotos de Ouro, Tchê Guri e Tchê Barbaridade. Esses grupos deixaram de tocar pilchados e foram banidos em tocar em CTGs, pois o MTG (Movimento Tradicionalista Gaúcho) alegava que a tchê music não era música gaúcha.

Concordo com o MTG em querer manter a verdadeira música gaúcha seja tocadas nos Centros de Tradições Gaúchas. Mas a tchê music é a evolução da música gaúcha. Assim como outros estilos musicais como o sertanejo, o samba e o forró tem sua versão raiz e a versão moderna com influência de outros gêneros.

Exemplo disso é o sertanejo, tem a moda de viola, o sertanejo de raiz que ficou famoso através da dupla Tonico & Tinoco. No movimento da jovem guarda quem popularizou o sertanejo foi o cantor Sérgio Reis. Nos anos 70 surgem as duplas Milionário & José Rico e Chitãozinho & Xororó.

Nos anos 2000 surge um novo estilo de sertanejo, chamado de sertanejo universitário quando surgem nomes como Victor & Léo, Jorge & Mateus e Fernando & Sorocaba.

Mas por que o exemplo da música sertaneja? Pois os músicos sertanejos são a classe musical mais unida do Brasil. Um ajuda ao outro. Exemplo é a dupla Fernando & Sorocaba que são padrinhos da dupla Thaeme & Thiago, assim como Milionário & José Rico foram padrinhos da dupla Guilherme &; Santiago.

Essa união não existe na música gaúcha e por isso é difícil ver cantores nativistas e grupos fandangueiros no cenário nacional. Há suas exceções: Recentemente o grupo Os Serranos participou do Programa do Jô. O programa Aparecida Sertaneja, da TV Aparecida apresentado pelo padre Alessandro Campos dá oportunidades aos grupos gaúchos como o próprio Os Serranos e Os Monarcas e recentemente o cantor João Luiz Correa.

Gostaria muito de ver o Baitaca no Domingão do Faustão cantando Do Fundo da Grota. Mas o paulista, o carioca, o mineiro e o nordestino vai entender a letra desse música? Por causa das palavras que tem na música que só nós do sul do País iremos entender. O pessoal do sudeste e do nordeste país não vai entender a lida campeira do gaúcho? Não faz parte da vida do dia-a-dia deles.

Com músicas como Cachorro Perigoso (trilha sonora de Avenida Brasil), Fazendo Coisa Boa (trilha sonora de Salve Jorge), O Meu Amor Me Fez Feliz (trilha sonora da temporada 2014 da Malhação) e Ninguém Segura Essa Mulher (trilha sonora de I Love Paraisópolis), que o Tchê Garotos conquistou o Brasil com músicas que fazem partes das trilhas sonoras das novelas da Rede Globo.

A cantora e apresentadora do Galpão Crioulo da RBS TV Shana Müller teve uma de suas músicas na trilha sonora da novela das seis da Rede Globo, Sete Vidas.

O grupo Garotos de Ouro – outro grupo que o Repórter Riograndense gosta muito – em 2011 retomou o uso da bota e bombacha, cantando músicas campeiras. Logo em seguidas outros grupos retomaram parcialmente ou totalmente o uso da pilcha gáucha, inclusive o próprio Tchê Garotos nesse ano tocou alguns bailes pilchados.

Para a música gaúcha fazer sucesso fora do Rio Grande do Sul é preciso a ver união entre os músicos como na música sertaneja que acolheram o Tchê Garotos com esse novo estilo enquanto alguns tradicionalistas os criticavam. É legal manter a música nativista, mas também é preciso aceitar a modernidade, todos estilos musicais passarem por que a música gaúcha é exceção? Aliás todos os ritmos da música gaúcha – com exceção do bugio – não de origem gaúcha como a vanera, a milonga, o xote e o chamané; mas fazem parte da música gaúcha.

Existem vários grupos gaúchos  fora do Rio Grande do Sul, em Santa Catarina tem o Conjunto Fogo de Chão e o grupo Portal Gaúcho. No Paraná tem os grupos Talagaço, Sorriso Lindo e Minuano. Em São Paulo tem o grupo Maate Quente e no Mato Grosso do Sul grupos influencias da música gaúcha como o Grupo Tradição, Alma Serrana e Grupo Zíngaro. Todos eles tem um pouco da música gaúcha em sua essência assim como o Tchê Garotos tocando pilchado ou de calça jeans.

Agradeço ao Tchê Garotos por hoje gostar da música gaúcha, se hoje eu escuto Joca Martins, César Oliveira & Rogério Melo e Luiz Marenco foi graças ao Tchê Garotos. Sou fã desde do tempo em o Luiz Cláudio e Fernandinho eram os vocalistas, depois passaram Sandro Coelho, Mateus Menin e agora o Cris e o Edinho os atuais vocalistas.

Uma curiosidade sobre o Tchê Garotos: a maioria dos fundadores do grupo não são gaúchos de nascimento. O gateiro Markynhos Uliam é paulista, o baterista Sagüi é catarinense da cidade de São Joaquim e ex-guitarrista e vocalista Sandro Coelho também é catarinense natural da cidade de Lages.

Isso prova que não precisa ser gaúcho de nascimento para gostar da música gaúcha. Inclusive a música gaúcha influenciou o sertanejo universitário. Precisamos de união entre os músicos, só assim a música gaúcha ficará mais forte disputar espaço na grande mídia com outros estilos musicais.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Muito obrigado por sua participação. Seu comentário será publicado em breve. Caso desejar comentar usando o Facebook, basta usar a caixa logo abaixo.