terça-feira, 22 de agosto de 2017

Vem aí o 57º Campeonato Municipal de Laço

Os patrões dos quadros de laçadores filiados ao CTG Porteira do Rio Grande estiveram reunidos nesta segunda-feira (21), a fim de tratarem assuntos relacionados ao 57º Campeonato Municipal de Laço. Neste ano, serão quatro etapas, com início em setembro e término em dezembro.



Conforme o patrão da Campeira, Clodoaldo Rezende (Pingo), a novidade para este ano será a modalidade de Vaca Parada, inserida no campeonato Infanto-juvenil. Poderão participar crianças de até nove anos. Esta modalidade é aberta a toda a comunidade, incluindo os não sócios do CTG Porteira do Rio Grande, e acontecerá aos domingos à tarde, nos dias do Campeonato.

Pingo ressalta que as fichas de inscrições devem ser entregues até o dia 15 de setembro, na secretaria da entidade. Esta também é a data limite para o pagamento das mensalidades para quem desejar participar do Campeonato.

O campeão da temporada receberá a taça Firmino Rodrigues da Silva, de caráter definitivo.

Confira as datas:

23 e 24 de setembro

7 e 8 de outubro

4 e 5 de novembro

16 e 17 de dezembro


Fonte: Assessoria de imprensa do CTG Porteira do Rio Grande

segunda-feira, 21 de agosto de 2017

Vacaria Nativista

O grupo do Facebook Vacaria Nativista foi criado em 21 de agosto de 2013 pela professora Laurita Baldi, escritora e amante da cultura gaúcha.

Através desse grupo, pessoas de Vacaria e amantes da tradição gaúcha podem trocar ideias, compartilhar história além de conhecer pessoas diferentes.

Logomarca do Vacaria Nativista criada por João Paulo Maciel de Abreu.


Graças ao trabalho de Laurita e da equipe de colaboradores do Vacaria Nativista, a página vem se destacando um importante espaço para manter vivas ao maior pela nossa terra. E através da maior rede social do mundo – o Facebook – está unindo vacarianos espalhados por esse mundo.

Para comemorar os quatro anos do Vacaria Nativista, a professora concedeu entrevista ao jornal Correio Vacariense na edição do 12 de agosto e agora você confere a entrevista completa aqui no Repórter Riograndense.

Como surgiu a ideia de criar o grupo?

Eu havia publicado o livro "Fascínio Carmim", um ano antes, o que me levou a escrever muito e a me envolver mais ainda com o que gosto, que é a cultura. Então pensei em fazer algo prazeroso, mas que ao mesmo tempo tivesse alguma contribuição social. Aí surgiu a ideia de aliar Facebook, que é uma ferramenta ao alcance de grande parte da população que gosta de interagir, culturas gaúcha e local e literatura. Animada, criei o grupo em 21 de agosto de 1913 e fui convidando as pessoas, aos poucos, para fazer parte.

Por que a escolha do nome Vacaria Nativista?

Porque o grupo mostraria, inicialmente, a cultura gaúcha inserida em Vacaria. Mas, aos poucos, com o grupo crescendo, as ideias foram criando leques e a página começou a costear outros caminhos além do nativismo, o que não interferiu no nome, pois ele é chamativo e Vacaria preserva muito a nossa tradição.

Fale sobre a iniciativa de realizar o concurso "Fotografe Vacaria e Campos de Cima da Serra".

Foi ideia de uma das administradoras do grupo, dona Maria Hilda Pinto Dengo. Como no grupo o que predominam são as fotos publicadas pelos membros, de todos os lugares dos Campos de Cima da Serra, resolvemos fazer um concurso para valorizar ainda mais a região e, também, nossos membros. E com o concurso veio a exposição, reunindo uma foto de cada autor e se dividindo pela cidade, tornando-se itinerante (Prefeitura Municipal, Banco do Brasil, Sicredi, Caixa Econômica Federal e UCS).

Quem mais administra a página?

Eu sou administradora-fundadora e temos mais dois administradores: dona Maria Hilda PInto Dento e Ildo Nery. Temos um excelente editor de arte, que é o engenheiro João Paulo Maciel e alguns colaboradores: Antônio Carlos Perugini Maurente (Caxias do Sul), Fabiano Sabino, Maria Ildete Borges da Silva e Guilherme Caon. Eis a equipe Vacaria Nativista.

Atualmente quantos membros o grupo possui?

Mais de 11.500 membros, de todas as partes do Brasil, inclusive no exterior. Destes que estão fora predominam vacarianos que deixaram o município e através da página matam saudades, interagem com os amigos e acompanham o que se passa por aqui.

Quais são os membros mais ilustres - nesse caso, músicos - que participam do grupo?

José Atanásio Borges Pinto, Elton Saldanha, Nilton Ferreira, Jean Kirchoff, Cristiano Fantinel, Cássia Abreu, a qual veio ao 30º Rodeio Crioulo Internacional de Vacaria devido à campanha que o Vacaria Nativista fez em sua página, Jari Terres, Flávio Hanssen, Paulo Ricardo Costa, a esposa do Pedro Ortaça participa bastante, a gravadora Acit, os músicos de Vacaria em sua maioria, Robledo Martins, Fábio Soares e outros. Já tivemos publicação compartilhada por Shana Muller e grandes elogios na página pelo grande Omair Trindade. Um orgulho para nós!

A maioria dos membros do Vacaria Nativista é de Vacaria ou são vacarianos que moram fora da cidade?

Acredito que predomine os que moram aqui, mas tem uma enormidade de pessoas de fora, na sua maioria vacarianos.


Como você a interação entre os membros do grupo, como compartilhar a história de Vacaria e a cultura gaúcha?

De forma muito positiva, há muita interação entre os membros, seja nos comentários, nos compartilhamentos, nas curtidas e nas publicações. Nos últimos 28 dias tivemos mais de 18 mil acessos (envolvendo os três eventos juntos).

Qual é a avaliação que você faz sobre o teu trabalho como administradora do grupo?

Cansativo, mas satisfatório, tanto pessoal quanto ao ver dos membros do grupo, pelas avaliações que fazemos. O nosso forte é valorizar a nossa história, a nossa cultura e a nossa gente. Gostamos de fazer entrevistas com pessoas que fizeram ou fazem a diferença e para quem acha que é fácil, se engana. Nós vamos na casa da pessoa, ou no seu estabelecimento comercial, fazemos a entrevista, tiramos fotos, editamos essas fotos, montamos o texto, enviamos de volta para a pessoa ver se está de acordo e depois publicamos. O que se lê em alguns minutos, demora horas para ficar pronto. Mas a felicidade de ver a satisfação do homenageado no Vacaria Nativista e, principalmente, ver o reconhecimento da comunidade para com ele, não tem preço. Temos um acervo muito valioso de entrevistas e fotos para as futuras gerações. Esta é a importância do grupo.

O que podemos esperar de novidades nos próximos anos?

Temos alguns projetos bem ousados, mas alguns não dependem somente de nós, como a viagem de ferrovia rumo a Lages, onde a natureza é exuberante (já tivemos reuniões com órgãos públicos), o projeto apresentando à Deltasul para grafitar a parede que dá no Camelódromo com os trabalhos dos artistas locais, as exposições e os concursos fotográficos que não deixarão de existir. Já estamos com a quarta edição em andamento e, em outubro, a exposição de nossa autoria com a participação da Câmara de Vereadores, na Semana de Vacaria, que irá florescer o trabalho de Fernando Anello - o homem que fotografou a Vacaria de outrora, com sessão solene para a família, na Câmara.

Faça um convite a todos leitores do Repórter Riograndense para participar do Vacaria Nativista.

É um prazer para nós, recebermos os leitores dessa grande ideia que foi o Repórter Riograndense, alavancando ainda mais a nossa página. Sejam todos bem-vindos, as tramelas estão abertas para todos que desejam valorizar a nossa terra!

Recentemente recebi o convite de Laurita para ser um dos colaboradores da página. Sinto-me honrado em participar deste trabalho em prol da história de Vacaria e cultura do Rio Grande do Sul.

Para quem quiser ser membro do Vacaria Nativista, pode mandar solicitação através do link abaixo:


domingo, 20 de agosto de 2017

Grupo Floreio

José Claro – o Zezinho – é natural de Soledade, RS. Desde novo, a música faz parte da sua vida, mas foi ao lado de Porca Véia que ganhou notoriedade e reconhecimento. A parceria, que foi além dos palcos, marca sua participação em dois discos do Porca: “Do Jeito Que Deu” e “Sentado Sobre um Arreio”.



Além de gaiteiro, Zezinho é compositor e tem vários sucessos gravados por Porca Véia, Elton Saldanha, Xiru Missioneiro, entre outros. Em suas composições, realiza parcerias com grandes nomes do cenário musical, como Léo Ribeiro de Souza, Paulo Ricardo Costa, Elton Saldanha, Dionísio Costa e Porca Véia.

Em 2001, Zezinho funda o Grupo Floreio, que já é destaque como um grupo fandangueiro que leva consigo a autêntica música gaúcha, com qualidade e comprometimento com a tradição rio-grandense. Os bailes são sinônimos de animação, repertório bem gaúcho, escolhido com muito cuidado, qualidade e sempre atualizado.

Da história do Floreio, destacam-se os quatro CDs lançados: “Só Fandangueira”, “Bem Na Moda Véia”, “Quando Canta Um Galponeiro” e “Assim no Mais”.

Zezinho é uma figura muito conhecida no meio musical gaúcho, com mais de 20 anos de carreira, sendo 10 deles como gaiteiro ao lado de Porca Véia. Por esse motivo, na última semana recebeu dois grandes presentes, de valor incalculável para quem conhece a e aprecia a boa música gaúcha.

Porca Véia e Gildinho (Os Monarcas), através de uma carta de recomendação, demonstram o quanto admiram o trabalho de Zezinho e do Floreio e indicam o grupo, ressaltando seu profissionalismo e comprometimento com a música e a cultura gaúchas.

Edson Dutra (Os Serranos) também presenteou o Floreio com suas palavras na apresentação do mais recente CD Assim no Mais: “Sempre admirei a colegas que reúnem atributos como: talento musical, capricho, critério e coerência em suas carreiras. E quem ouve os lançamentos deste cantor e acordeonista, percebe tudo isso e mais, há responsabilidade, sequência e evolução musical”.

Sabendo da sua responsabilidade em seguir sua carreira com seriedade, autenticidade e competência, o Floreio está totalmente dedicado ao lançamento no novo álbum, que em breve estará no mercado e tocando nas rádios do Sul.


Levar o Grupo Floreio para o seu fandango é ter a certeza de estar levando um dos melhores grupos fandangueiros do Rio Grande do Sul.

terça-feira, 8 de agosto de 2017

Uiliam Michelon

O acordeonista Uiliam Michelon Bizotto nasceu em 3 de abril de 1982 em Vacaria. Ele vem se destacando há anos tocando o acordeom cromático e também como compositor. Além disso, ele trabalha como professor de música.

Através da música instrumental, Uiliam Michelon faz questão de tentar minimizar o conceito de que o acordeom só serve pra tocar música gaúcha. Suas influências além da música gaúcha são jazzbossa novachoroThe Beatles e tango.

Uiliam Michelon

Atualmente, Uiliam está com o projeto Uiliam Michelon Quarteto, formado por Uiliam Michelon (acordeon), Gleidson Dondoni (bateria), Everton Hoffmann (baixo) e Thiago Carlotto (violão).

Nesta quinta-feira, dia 10 de agosto o projeto Uiliam Michelon Quarteto irá se apresentar na Casa do Povo em Vacaria.

Uiliam Michelon concedeu entrevista ao blog Repórter Riograndense fala sobre a sua trajetória musical.

No final do texto vocês poderão acompanhar o clipe da música Melodia Noctívaga de autoria de Uiliam Michelon.

Já participou de vários festivais como FEMUCIC 2017 (Maringá, PR), Rodeio Internacional de Vacaria, Festival Cante uma Canção em Vacaria, Sapecada da Canção Nativa (Lages, SC), Carijo da Canção (Palmeira das Missões, RS), Manoca do Canto Gaúcho (Santa Cruz do Sul, RS), Nevada da Canção (São Joaquim, SC), Ronco do Bugiu (São Francisco de Paula, RS), Festival Nativista Baqueria de Los Piñares em Vacaria, Festival Canto do Charão (Muitos Capões, RS), Festival o Rio Grande Canta Zé Mendes (Esmeralda, RS), Festival da Música Instrumental Gaúcha (Pinhal da Serra, RS).

Como você começou na música?

Aos 11 anos, vi uma apresentação de CTG e me interessei muito pelo acordeom. Falei para minha mãe e, como morávamos no bairro Jardim dos Pampas, ela me levou para ter aulas com o professor Firmino Campos, que dava aulas e residia naquele bairro.

Quem é sua maior inspiração na música?

São tantos os nomes que me influenciam e inspiram, mas atualmente posso citar como principais o acordeonista Raul Barboza, o bandoneonista Astor Piazzolla e o violonista Paco de Lucia. Além deles, uma grande fonte de inspiração e o responsável por eu seguir em frente nos estudos de música é o professor João Maria Pinheiro da Rosa.

Em quais grupos e/ou artistas que tocou junto?

Atualmente, toco com o cantor caxiense Fabio Soares e com o cantor lageano Adriano Posai. Com ambos, gravei cinco discos. Aqui em Vacaria, já toquei com os cantores Ana Paula Chedid, Cassiano Paim, Eduardo Ferreira e Cris Hoffmann. Um trabalho importante que também tivemos aqui foi o Trio 3 de Paus, com os colegas e amigos Julio Cesar (Baixo) e Tiago Magrin (Bateria), com os quais fizemos uma participação especial junto a orquestra Camerata de Florianópolis, na Casa do Povo.

Uiliam Michelon Quarteto


Fala o estilo do acordeom cromático e a diferença entre o acordeom de teclas e a gaita-ponto?

O acordeom cromático, como a gaita ponto (tecnicamente chamado de acordeom diatônico), é construído com botões para ambas as mãos, diferente do acordeom piano que possuí um teclado de piano para a mão direita. A diferença do acordeom cromático para a gaita ponto consiste além da extensão de notas, no fato de que a gaita ponto, quando se toca um botão, ao abrir o fole, esse botão emite uma nota e ao fechar o fole, outra nota é emitida pelo mesmo botão.

Você sabe tocar outro instrumento?

Não. No passado tentei aprender violão, mas não tive paciência. Talvez no futuro eu retome este projeto.

Como é o trabalho de compositor?

O violonista espanhol Manolo Sanlucar possui um dizer que resume muito bem a resposta (vou traduzir com minhas palavras): Para as pessoas, a música é um divertimento, mas para o músico (aqui músico é aquela pessoa que abdicou tudo para se entregar a esta divindade chamada “Música”), para o músico, música não é divertimento, é a própria angústia. Pra quem realmente entende o que é a “Música” e devota-se a ela, existe uma angústia, a qual pressuponho, seja similar àquela gerada pela abstinência a algum vício, e essa angústia precisa ser, pelo menos abrandada, tocando ou compondo, por exemplo, então, o “vício” se acomoda por algum tempo.

Quais são suas principais influências?

Raul Barboza (Argentina), Egberto Gismonti (Brasil), Astor Piazzolla (Argentina), Oscar dos Reis (Brasil), Paco de Lucia (Espanha), Django Reinhardt (Bélgica/França).


Qual a música que você compôs é mais especial?

Difícil, por que cada uma das composições representa um momento, mas, Melodia Noctívaga até agora, tem rendido mais frutos. Possui mais visualizações e nos levou a tocar num grande festival em Maringá/PR.

Qual o conselho que você dá para quem quiser ser a carreira de músico e compositor?

Estudo! Estudar e estudar. A música é infinita, então os estudos nunca acabam. Estudar sobre todos os assuntos possíveis. Refletir sobre sua vida e avida das pessoas e, sem falta, devotar-se à música e ao seu propósito!

Te aprochega e confira o clipe da música Melodia Noctívaga de Uiliam Michelon:


segunda-feira, 7 de agosto de 2017

Regulamento do 4º Concurso Fotografe Vacaria e Campos de Cima da Serra


I) Dos promotores do concurso

1.1. O concurso “Fotografe Vacaria e Campos de Cima da Serra”, em sua 4ª (quarta) edição, será promovido pelos administradores do Grupo “Vacaria Nativista”, sediado na rede social “Facebook”, sob o sítio eletrônico <https://www.facebook.com/groups/VacariaNativista/>.

II) Das regras de participação

2.1. Poderão participar todos os membros do grupo “Vacaria Nativista”, inclusive aqueles que ingressarem até a data final de envio das fotos.

2.2. Administradores e todas as pessoas diretamente ou indiretamente ligadas à realização do presente concurso não poderão participar, sendo nula a sua eventual tentativa de participação e/ou premiação.

2.3. O tema das fotografias é livre, mas a(s) foto(s) deverá(ão) ser tirada(s) em uma das regiões dos Campos de Cima da Serra: André da Rocha, Bom Jesus, Cambará do Sul, Campestre da Serra, Capão Bonito do Sul, Esmeralda, Ipê, Jaquirana, Monte Alegre dos Campos, Muitos Capões, Pinhal da Serra, São José dos Ausentes, São Francisco de Paula e Vacaria.

2.4. Cada autor poderá enviar até 3 (três) fotos (preferencialmente em boa resolução), sem logomarcas ou qualquer tipo de identificação, para o e-mail <vacarianativista@outlook.com>, devendo constar:

- Nome completo do autor

- Local onde a(s) foto(s) foi(ram) tirada(s)

- Link de seu perfil no Facebook (seu nome no Facebook)

2.5. Ajustes simples serão aceitos (brilho, nitidez, contraste), menos fotos trabalhadas (retoques), que mudem significativamente a fotografia, tais como desfoques ou sombras.

2.6. Por tratar-se de concurso virtual, a(s) foto(s) não precisa(m) ser inédita(s), – poderão ter sido postadas nas redes sociais - mas não serão aceitas fotos que tenham participado de comerciais e/ou de outras edições do concurso “Fotografe Vacaria e Campos de Cima da Serra”. Após enviar a sua foto, se ela estiver nas redes sociais, o autor deverá tirá-la das mesmas até o final do concurso.

2.7. O participante é responsável pela(s) foto(s) que submeter ao concurso, não cabendo ao grupo Vacaria Nativista a qualquer responsabilidade sobre elas, tampouco indenização em virtude do seu envio ou utilização. Em caso de plágio, a foto será desclassificada.

III) Das categorias de julgamento

3.1. As fotos serão julgadas tecnicamente em duas categorias:

a) Geral (fauna típica - gralha azul, quero-quero, cavalo, bugio, tatu, curicaca, ou outro que esteja dentro de um cenário típico dos Campos de Cima da Serra; patrimônio histórico, lides campeiras, outros que enalteçam a região - igrejas, cemitérios de campanha, prédios históricos, etc.

b) Paisagem (fotos de fazendas, sítios, rios, natureza típica rio-grandense, flora).
3.2. É livre a escolha do autor em competir em uma categoria ou nas três acima mencionadas (desde que sejam 03 fotos no total).

IV) Dos direitos de imagem

4.1. O autor da(s) foto(s) participante(s) cede o direito de uso das fotos enviadas ao Vacaria Nativista para possíveis publicações nos diferentes meios de comunicação, exposições ao público e outros, sem quaisquer ônus para os promotores do concurso, com a devida identificação do autor.

4.2. O autor da(s) foto(s) participante(s) cede o direito de uso de sua imagem na ocorrência de divulgação dos resultados, também sem quaisquer ônus.

V) Do período de envio da(s) foto(s)

5.1. O período de participação inicia na data de publicação deste regulamento no grupo Vacaria Nativista, com encerramento no dia 27 de agosto de 2017.

VI) Do julgamento

6.1. As fotos serão julgadas anonimamente. Como identificação, cada foto receberá um número aleatório, não sequencial entre as fotos de um mesmo autor.

6.2. Os critérios utilizados serão: criatividade, beleza plástica e originalidade, dentro de cada categoria.

6.3. Em cada categoria descrita no item III, serão escolhidas 2 (duas) fotos como vencedoras e 2 (dois) segundos lugares, pelo Júri Técnico.

6.4. O Júri Técnico será composto por 5 (cinco) fotógrafos profissionais. A fim de preservar a isonomia do concurso, não será divulgado pelo Vacaria Nativista o nome dos mesmos.

6.5. 1 (uma) foto será escolhida pelos administradores do grupo Vacaria Nativista para representar o grupo até o próximo concurso (2018), a qual receberá premiação específica.

VII) Da premiação

7.1. Os primeiros lugares em cada categoria receberão, além de suas fotos impressas e emolduradas, uma impressora multifuncional HP Desk Jet Advantage 3636 Jato de Tinta Colorido USB e Wi-fi, completa.

7.2. Os segundos lugares em cada categoria, além de suas fotos impressas e emolduradas, receberão um aspirador de pó Britânia 700 W, modelo Dust Off Brd (aspira de pé).

7.3. O autor da foto escolhida pelo grupo Vacaria Nativista receberá uma cesta com produtos diversos da “Spaccio Rar”, patrocinadora oficial do concurso, bem como sua foto impressa e emoldurada.

VIII) Da exposição posterior das fotos

8.1. Após o término do concurso, as fotos concorrentes estamparão a página do Vacaria Nativista, em blocos, com os nomes dos seus autores divulgados. As vencedoras estamparão a foto de capa do grupo, alternadamente. Fica facultada à administração do grupo a edição da imagem e inserção do logotipo do mesmo.

8.2. Cada participante, independente de ter sido premiado ou não, terá uma foto selecionada para a 4ª Exposição “Fotografe Vacaria e Campos de Cima da Serra”, a qual se fará em data e local a serem definidos, tornando-se, posteriormente, itinerante. Baixa resolução para impressão poderá excluir a participação da foto.

IX) Da validade e entrega dos prêmios

9.1. Os prêmios descritos no item VII serão entregues ao vencedor mediante contato por parte dos administradores do Vacaria Nativista, cabendo definição posterior, junto ao vencedor, de data para entrega.

9.2. Caberá o ônus de transporte dos prêmios ao vencedor, caso o mesmo resida fora do município de Vacaria.

X) Dúvidas e divergências

10.1. A participação no presente concurso implica em aceitação de todas as cláusulas nele contidas. Não havendo relação de venda e consumo de produtos, não será aplicável o disposto no Código de Defesa do Consumidor ou outros dispositivos Legais neste sentido.


10.2. Dúvidas deverão ser expostas à administradora Laurita Baldi, por meio de mensagem eletrônica, tanto em seu perfil na rede Facebook <https://www.facebook.com/laurita.baldi> como pelo e-mail <vacarianativista@ outlook.com>

quarta-feira, 2 de agosto de 2017

CTG Porteira do Rio Grande participa de encontro em São Paulo

O patrão do CTG Porteira do Rio Grande, Luiz Carlos Bossle da Costa, juntamente com a patroa Eroni, e representantes do Departamento Artístico, participaram neste final de semana, 28 a 30/07, em São Paulo, do encontro “Gaúchos e Gauchos - Brasil, Argentina e Uruguai”. O evento, organizado pelo Sesc São Paulo, tem por objetivo retratar a vida, tradição e cultura gaúcha, contribuindo para fortalecer sua identidade.

Gaúchos e Gauchos é fruto de um estudo e coleta de dados em campo, realizados ao longo de dois anos, pelo curador argentino Guillermo David e equipe do Sesc São Paulo sob coordenação de Marina Herrero. O CTG Porteira do Rio Grande foi um dos locais visitados para a realização das pesquisas.

Foto: Facebook do CTG Porteira do Rio Grande / Divlugação


Durante o encontro foram realizadas oficinas sobre a cultura e sua vivência, através de rodas de conversa, música, dança e oficinas culinárias do Brasil, Argentina e Uruguai. O CTG Porteira do Rio Grande fez apresentação de danças tradicionais e de canto, através dos músicos Bruna Mello, Eduardo Ferreira e Robson da Silva Borges.

Além de participar da abertura do evento representando o Rio Grande do Sul, o patrão Luiz Carlos aproveitou a oportunidade para divulgar o 32º Rodeio Crioulo Internacional de Vacaria, que acontece de 27 de janeiro a 4 de fevereiro de 2018.

Também participaram do encontro o quarteto musical La Sinfonica de Tambores Patria Gaucha (Uruguai), os gaiteiros João Mendes (Porto Alegre) e Waldomiro Azevedo (São Lourenço do Sul, RS), a dupla de músicos Gracio e índio Pessoa (Erechim, RS), o trio feminino Flor de Irupé (Argentina) e os cavaleiros do Piquete 35 e seus animais, de Lagoa Vermelha, com demonstrações de montaria, doma, tiro de laço, e palestras sobre o universo gauchesco.

Uma exposição fotográfica prossegue até o dia 10 de setembro, no Sesc Interlagos, SP.


Fonte: Assessoria de Imprensa do CTG Porteira do Rio Grande

UM BLOG AJOJADO DE SENTIMENTOS

PESQUISE POR AQUI