segunda-feira, 5 de agosto de 2019

O poncho e pala


O poncho (do quíchua: punchu), é uma vestimenta tradicional da América do Sul a partir do século 18, porém o frio da região fez com que os nativos usassem como proteção couros de animais assemelhando-se ao poncho (Toropi).

O gaúcho do meio rural usa-o para proteção do frio e do vento, por sobre a vestimenta usual, sendo feito em teares com lã de ovelha. Nas cidades ainda se pode vê-lo em dias frios como sobretudo. Ainda serve como cobertor improvisado. Na América andina é feito de lã de lhama, alpaca ou vicunha.

Comercialmente, por vezes são feitos com fibras sintéticas. Basicamente com o mesmo formato, mas sem a abertura frontal e em tecido mais leve, na maioria das vezes em lã ou seda. Proporciona abrigo na meia estação (período intermediário, antes e depois do inverno) e é também bastante usado em festividades tradicionalistas.

PONCHO:

- De lã ou outro tecido grosso, compacto, às vezes, impermeável, tem formato arredondado e, geralmente, é forrado de baeta vermelha. Possui uma abertura central, para enfiar a gola com botões. Serve de abrigo para o frio rigoroso e para a chuva.

Tipos de poncho e pala. Fotos: Joel Jordani


PALA:

- Espécie de capa de formato retangular com franjas nos lados estreitos do retângulo. Tem uma abertura central por onde a cabeça é enfiada. O pala cai sobre os ombros e é feito com lã, algodão ou seda, sempre em tecido leve. É usado nas estações menos frias.


PONCHO-PALA:

- De lã espessa, formato retangular, com extremidades arredondadas e franjadas, possui uma gola aberta onde se enfia a cabeça. É abrigo de inverno.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Muito obrigado por sua participação. Seu comentário será publicado em breve. Publicamos nossos posts novos lá no Facebook - caso desejar deixar seu comentário por lá e seguir o blog, o Repórter Riograndense te espera!