segunda-feira, 22 de abril de 2019

As origens do Chamamé


O Chamamé é um gênero musical tradicional da província de Corrientes, Argentina. O chamamé se expande também pelo Paraguai e por vários locais do Brasil, principalmente nos estados do Mato Grosso do Sul, Paraná e Rio Grande do Sul.

A dança se originou na tribo indígena "Kaiguá", entre Brasil e Corrientes, e era conhecida como “Polkakirei”, uma polca movida em ritmo ágil. A palavra “chamamé” estive origem da frase “Che amoa memé” que significa “te protejo”. A palavra chamamé não é guarani e nem espanhola. Por isso, não há uma tradução para chamamé.



Para os argentinos, chamamé significa "senhora ama-me". No Brasil, a palavra tem o significado de "chama-me para bailar" ou "aprochegar-se de mim".


Desenvolvimento


O chamamé está cada vez mais abrasileirado. Depois de introduzir no Rio Grande do Sul, perdeu-se parte de sua originalidade, formando uma legião de apreciadores e enriquecendo o repertório das canções regionais passo a passo e acrescentou alguns instrumentos locais e típicos. Por tanto, este ritmo se tornou um dos mais presentes nos fandangos gaúchos. 


Influência

 
O chamamé permite a improvisação e será o jazz do novo milênio. Ele está tão aculturado que não tem mais o que ser mexido. O ritmo é considerado como o rei dos bailes gaúchos. Hoje, não há festa em que ele não esteja presente.


Caraterísticas


O chamamé é dançado em compasso ternário, ou seja o chamamé valsado.
Na Argentina, o chamamé é cantado e tocado, acompanhado pelos “sapucays” (que, em guarani, significa "grito da alma") é o único a permitir a emissão de sapucays e também o único a utilizar acordeão de botão. 

Um dos maiores sucessos da música gaúcha, Gritos de Liberdade, do Grupo Rodeio é o maior exemplo do chamamé gaúcho. Te aprochega e confira esta marca:


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Muito obrigado por sua participação. Seu comentário será publicado em breve. Publicamos nossos posts novos lá no Facebook - caso desejar deixar seu comentário por lá e seguir o blog, o Repórter Riograndense te espera!