segunda-feira, 5 de fevereiro de 2018

Minha opinião sobre o 32º Rodeio de Vacaria

Terminou neste domingo, dia 4, o 32º Rodeio Crioulo Internacional de Vacaria. Durante os nove dias de festa passaram pelo parque Nicanor Kramer da Luz cerca de 280 mil pessoas. Participaram do rodeio mais de oito mil competidores nas provas artísticas e campeiras.



Esta edição do Rodeio de Vacaria começou com a polêmica dos bailes do circão de lona, sendo o mais comentado o show da dupla sertaneja Teodoro & Sampaio. Muita gente questiono o porquê de grupos como Os Serranos, Os Mateadores, Os Bertussi e Baitaca ficaram fora da programação.

São mais de 120 grupos gaúchos espalhados pelo Brasil. É muito difícil trazer todos numa edição.

Os bailes do circão eram responsabilidade da IM Produções do cantor Ivonir Machado, que infelizmente sofreu um Acidente Vascular Cerebral Isquêmico no dia 13 de janeiro. Não há previsão de quando Ivonir retornará aos palcos.

Outra notícia triste foi o falecimento do cantor Volmir Martins na madrugada do dia 27 de janeiro. Duas grandes perdas para a música gaúcha.


Pontos positivos


Os shows da Concha Acústica eram reponsabilidade do CTG Porteira do Rio Grande. Destaque para o show de abertura de Uiliam Michelon Quinteto. Também vale destacar os shows do Quarteto Coração de Potro de Lages, SC, Elton Saldanha, sempre marcando presença no Rodeio de Vacaria, Luiz Marenco, Mano Lima, Joca Martins e César Oliveira & Rogério Melo que as em suas apresentações lotaram a Concha Acústica.



O tiro de laço é dos pontos altos do Rodeio de Vacaria. Mas como têm disputas de laço todos os dias da festa e também várias categorias, o público prestigiou na mais o desafio do boi Jiló e da vaca Branca de Neve – esses animais têm as aspas viradas para baixo dificultando a laçada.

O laçador Thaian de Ávila conseguiu laçar o boi Jiló. O final das quatro forças do laço este um bom público.

O meu destaque do tiro de laço foi a disputa do laço seleção entre os estados do Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, São Paulo, Mato Grosso do Sul, Mato Grosso, Distrito Federal e Amazonas. A disputa foi acirrada entre Rio Grande do Sul e Santa Catarina.

No final, os gaúchos levaram a melhor. A Cancha da Ferradura parecia como as arquibancadas do Beira-Rio e da Arena em dia de GreNal.

Todas as noites da gineteada tiveram um grande público. É a prova campeira mais aguardada pelos espectadores do Rodeio de Vacaria. Assim como as apresentações artísticas, principalmente a chula e as danças de invernadas.


Pontos negativos


Nem tudo é como a gente quer. Vou relatar alguns fatos que presenciei:

O primeiro, foi a falta de comunicação entre os seguranças do estacionamento que estavam mandando os veículos para locais em que não tinha mais vagas, enquanto em outros lugares sobravam vagas. E também a cobrança do valor do ingresso integral para pessoas que tinham direitos a meia entrada.


As duas quedas de luz que aconteceu durante o evento, uma delas durante o show do Tchê Guri, atrapalham o trabalho do pessoal da imprensa que estava fazendo a cobertura do evento.

E por último, a polêmica desclassificação da seleção do Mato Grosso do Sul no laço seleção regiões no primeiro dia do rodeio, sendo que dois laçadores que laçaram por esta seleção não eram filiados a respectiva região tradicionalista. Então como eles puderam disputar essa competição?

O atraso de alguns shows como o do Luiz Marenco e Mano Lima. Tem que respeitar a pontualidade da programação pré-estabelecida.


Conclusão


Acredito que foi um dos maiores rodeios que Vacaria já teve. Precisamos melhorar a infraestrutura do parque Nicanor Kramer da Luz para dar condições e suporte aos visitantes.



Temos um grande potencial para alavancar o Rodeio de Vacaria. Precisamos ser menos conservadores, mas sem deixar sermos tradicionalistas. O pessoal que organiza a Festa do Peão em Barretos, SP está disposto a colaborar pelo crescimento da nossa festa.


Agradecimentos


Queremos agradecer aos grupos Novos Garotos, Tchê Chaleira, Paulinho Mocelin & Coração de Gaiteiro, Candieiro e Bem Gaúcho que nos presentearam com CD’s.

Também agradecemos pelo tratamento e atenção que recebemos dos músicos do Tchê Barbaridade, Talagaço, Chiquito & Bordoneio, Pataço, Estação Fandangueria, Tchê Guri e os Monarcas.  

A assessoria de imprensa do CTG Porteira do Rio Grande, em especial a Anelise Donazzolo, que sempre nos manda todas as informações do rodeio e do CTG. E principalmente a agradecer a administradora do grupo virtual Vacaria Nativista, Laurita Baldi, por conseguido uma credencial para fazer a cobertura do Rodeio de Vacaria.



Que venha o 33º Rodeio Crioulo Internacional em 2020. Um abraço do trabalho do Rio Grande.


Texto e foto: Mateus Rosa - Repórter Riograndense

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Muito obrigado por sua participação. Seu comentário será publicado em breve. Caso desejar comentar usando o Facebook, siga nossa página na rede!