domingo, 26 de maio de 2013

Dicionário Gaúcho - Letras F e G

F

FACÃO, s. Espécie de adaga que serve tanto para brigar como para o trabalho de mato. Não é aumentativo de faca.
FACHADÃO, s. Boa aparência.
FACHUDO, adj. Diz-se do cavalo de bela estampa ou do cavaleiro que monta com garbo. || Lindo, airoso, elegante, distinto, garboso, belo, bonito, trajado com esmero, que tem ares distintos.
FALARAZ, s. Falário, falatório.
FALA-VERDADE, s. Arma de uso pessoal: facão, faca de ponta, pistola, etc.
FANDANGO, s. Denominação genérica de antigos bailes campestres, constituídos de danças sapateadas, executadas alternadamente com canções populares, com acompanhamento de viola.
FAREJAR CATINGA AGOURENTA NO AR, expr. Pressentir acontecimento desagradável.
FARO, s. Tino, discernimento.
FARRA, s. Bebedeira troça divertimento, em geral com licenciosidade.
FARRAPO, adj. e s. Alcunha deprimente que os imperiais davam aos revolucionários de 1835. O apelido aviltante, alusivo à miséria em que se encontravam os farrapos, transformou-se, porém, em vista do civismo e da bravura que sempre demonstraram, em legenda de glória e de heroísmo de que se orgulham todos os seus descendentes.
FARREAR, v. Sair à pândega, à folia, à troça, para divertir-se, passear, beber.
FARRISTA adj. Diz-se da pessoa que gosta de farras. Folião, divertido, beberrão, turbulento.
FARROMEIRO, adj. Fanfarrão, jactancioso, gabola, braveteiro.
FARROUPILHA, adj. O mesmo que farrapo. Diminutivo de farrapo. O que pertenceu à República de Piratini, de 1835. O revolucionário republicano de 1835. Os nativistas do Rio Grande do Sul, que, antes da revolução de 1835, já se batiam pela brasilidade na administração da província.
FAZER BOCA, expr. Comer alguma coisa para que o vinho fique com melhor sabor. || Fazer alguma coisa como início de uma ação mais importante.
FAZER-SE DE CHANCHO RENGO, expr. Fazer-se de desentendido. Fazer-se de tolo.
FESTO. S. Festa, farra, festejo, divertimento, baile. || Tédio, indisposição, impaciência, aborrecimento.
FIADOR, s. Parte do buçal que cinge o pescoço do cavalo, passando-lhe pela região jugular. || Alça colocada no cabo do relho para se introduzir o pulso, também chamado fiel. || Homem que marcha na frente da tropa do gado para regular-lhe a marcha, além do ponteiro.
FIAMBRE, s. Alimento para a viagem, geralmente carne fria, assada ou cozida.
FIEL adj. Alça de couro ou de corrente de metal, colocada em uma das extremidades do cabo do rebenque ou do relho, na qual se enfia a mão que vai segurar qualquer daqueles trastes campeiros.
FIGUEIRA, s. Árvore gigante, Urostigma fícus, abundante no Rio Grande do Sul, que dá pequenos frutos comestíveis, de tronco não muito elevado, porém dotada de grande copa esparramada, cobrindo vasta área, e produzindo excelente sombra.
FILA TESTA, s. Fila da testa, da frente, da vanguarda.
FIXE adj. Fixo firme.
FLACO, adj. Fraco, magro, desnutrido. (Esp.).
FLETE, s. Cavalo bom e da bela aparência, ecilhado com luxo e elegância.
FLOR, adj. Muito bom, excelente, bonito, belo, lindo, grande, gordo. O mais lindo, o melhor, a porção mais fina, o mais apurado.
FLOREADO, adj. Embriagado, tonto, perturbado; a meia embriaguez.
FLOREIO s. Embate de arma branca, de pequena duração.
FOGÃO, s. Grande fogo que se acende no galpão das estâncias para o preparo do mate e do churrasco.
FOLHEIRO adj. Airoso, garrido, alegre, satisfeito, desembaraçado, desempenado, despreocupado, elegante, garboso, vistoso, lindo, taful, loução, bem disposto, de boa aparência. || Que faz ou obtem as coisas com facilidade, sem embaraços.
FORÇUDO adj. Robusto, vigoros, que tem muita força.
FRENTEAR, v. Atacar a tropa pela frente. Impedir o gado de disparar pelo campo. || Deparar-se, defrontar-se.
FUEIRO, s. Estaca para amparar a carga da carreta ou carro de bois.
FUMACEAR. V. Mostrar-se em bando numeroso, mais ou menos compacto.
FUNGU, s. Bruxaria, feitiço.
FUSCO-FUSCO s. Lusco-fusco.

G
 
GADARIA, s. Porção de gado, grande quantidade de gado, o gado existente em uma estância ou em uma invernada.
GADELHUDO, adj. Diz-se de uma pessoa com os cabelos muito crescidos. || Aplica-se também ao cavalo muito crinudo. || Intrépido audaz.
GADO, s. O gado vacum. Quando o riograndense quer referir-se a outro gado que não seja o vacum, ele o especifica, chamando-o gado lanígero, asinino, muar, cavalar, etc.
GAGINO, s. Galo que tem as penas com aspecto semelhante às da galinha.
GALÃO LARGO, s. Militar de alta graduação.
GALEGO s. Alcunha que os farrapos davam aos legalistas. O mesmo que absolutista, camelo, caramuru, restaurador corcunda.
GALHEIRO, s. Galhudo, o veado macho, de chifres muito grandes e com diversas pontas.
GALOADO, adj. Agaloado.
GALOPE, s. Cada uma das montadas que se dá ao potro ou redomão com o fim de amansá-lo.
GALOPEADO, s. Diz-se do cavalo que esteve ou está em preparo para corridas.
GALOPEAR, v. Galopar. Montar um potro ou redomão para amansá-lo e ensiná-lo a ser obediente às rédeas. Treinar o parelheiro para a carreira.
GALPÃO, s. Construção existente nas estâncias destinada ao abrigo de homens e de animais e à guarda de material.
GAMBELO, s. Festa, carícia, carinho, no sentido de enganar, iludir. || Gulodice, coisa boa, gostosa, agradável, deliciosa.
GANAS, s. Desejo súbito, vontade. Este termo é usado ordinariamente no plural.
GANDOLA, s. Peça do vestuário, usada por militares em substituição ao capote. Blusão.
GANDOLINA, s. Ameaça de revolução.
GANHAR DE LUZ, expr. Vencer o parelheiro, em corridas de cavalos, atingindo o laço de chegada distanciado do contedor, de forma a haver, para quem observa lateralmente, algum espaço entre a cola do ganhador e a cabeça do perdedor.
GANIÇAR, v. Ganir.
GANJENTO adj. Vaidoso, presumido, enganjamento, presunçoso, atrevido, que tem ganja.
GARGALEJADO, adj. Diz-se do ruído que lembra o do gargalejo.
GARGANTA, s. e adj. Indivíduo conversador, prosa, mentiroso, jactancioso, fanfarrão.
GARRÃO, s. Jarrete do cavalo, ou de qualquer outro animal ou de pessoa.
GARRAS, s. Arreios velhos, grosseiros, gastos pelo uso.
GARUPA, s. Arbusto cujas folhas, em infusão, são usadas para doenças do aparelho digestivo. || Nome de rio da fronteira, no município de Quaraí.
GATEAR, v. Andar, cautelosamente, fazendo negaças, rastejando, caminhando de gatinhas, usando de ardis, de astúcia, de manhas, para conseguir aproximar-se da caça e matá-la.
GAUCHADA, s. Grande número de gaúchos. || Façanha de gaúcho, cometimento muito arriscado, proeza no serviço de campo. || Ação nobre, impressionante, corajosa.
GAUCHAGEM, s. Grande número de gaúchos.
GAUCHITO, s. Diminutivo de gaúcho.
GAÚCHO s. e adj. Habitante do Rio Grande do Sul. || Habitante do interior do Rio Grande, dedicado à vida pastoril e perfeito conhecedor das lides campeiras.
GAUDÉRIO, s. Pessoa que não tem ocupação séria e vive à custa dos outros, andando de casa em casa. Parasita, amigo de viver à custa alheia. Denominação dada ao antigo gaúcho, em sentido depreciativo.
GAVIÃO, adj. Diz-se do cavalo arisco, matreiro, que dificilmente se deixa apanhar. Fem.: gaviona.
GENTAMA, s. Reunião de muita gente; multidão; grande número de pessoas. Gentarada, gentalha. Gentinha. Grande quantidade de gente de classe inferior.
GINETAÇO s. Pessoa que monta bem, com firmeza e com garbo. Bom cavaleiro, domador.
GINETEAR, v. Montar a cavalo com firmeza e com garbo; andar em animal arisco ou xucro, fazer o animal corcovear, aguentar corcovos.
GOLA-DE-COURO, s. Soldado, milico, miliciano.
GOLPEADO, adj. Diz-se do indivíduo que toma resoluções irrefletidamente, de golpe, impulsivo, leviano, tonto.
GRAVATÁ, s. Caraguatá.
GRAXAIM, s. Guaraxaim, sorro, zorro. Pequeno animal semelhante ao cão, que gosta de roer cordas, principalmente de couro cru e engraxado ou ensebado, e de comer aves domésticas.
GRINGO, s. Denominação dada ao estrangeiro em geral, com exceção do português e do hispano-americano.
GROTA, s. Socavão, furna, gruta, desbarrancado, vale profundo.
GRUDAR, v. Dar, pespegar.
GRUNIR, v. Trabalhar intensamente, afanosamente. || Sofrer muito, ou resistindo a dores, ou esforçando-se para conseguir algo. Suportar incômodos, aborrecimentos; curtir, aguentar. O mesmo que gurnir.
GUAIACA, s. Cinto largo de couro macio, às vezes de couro de lontra ou de camurça, ordinariamente enfeitado com bordados ou com moedas de prata ou de ouro, que serve para o porte de armas e para guardar dinheiro e pequenos objetos.
GUAIPECA, s. Cão pequeno, cusco, cachorrinho de pernas tortas, cãozinho ordinário, vira-latas, sem raça definida.
GUAJUVIRA, s. Árvore (Patagonula americana) que produz excelente madeira de construção.
GUAMPA, s. Chifre, corno, aspa. || Chifre preparado para ser usado como copo ou como vasilha para guardar líquidos.
GUAMPADA, s. Chifrada, guampaço. Golpe dado pelo bovino, com as guampas.
GUAMPUDO adj. Que tem grandes chifres, chifrudo. || Diz-se também, do homem cuja mulher lhe é infiel.
GUAPEAR, v. Mostrar ânimo, coragem, valor, resistência.
GUAPO adj. Forte, vigoroso, valente, bravo.
GUASCA, Tira, correia, corda de couro cru, isto é, não curtido. || Denominação dada aos rio-grandenses pelos filhos de outros estados, pelo fato de neste, em vista da predominância da indústria pastoril e da carência de outros materiais, haverem sido generalizados o emprego do couro para as mais diversas finalidades.
GUASCAÇO, s. Pancada, golpe dado com guasca. Relhaço, relhada, chicotada, chibatada, correada, açoite, guascada, guasqueada.
GUASQUEAR, v. Surrar, açoitar, espancar, chicotear, fustigar com guasca ou com qualquer outro açoite.
GUASQUEIRO, Pessoa que trabalha com guascas.
GUINCHA, s. Poldra, potranca, égua nova, gueixa. || Mulher despudorada.
GURI s. Criança, menino, piazinho, serviçal para trabalhos leves nas estâncias.
GURIZOTE, s. Guri já um pouco crescido, mocinho.
GURNIR, v. O mesmo que grunir.


 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Muito obrigado por sua participação. Seu comentário será publicado em breve. Caso desejar comentar usando o Facebook, basta usar a caixa logo abaixo.