domingo, 30 de janeiro de 2011

Grenal

Grenal é, no futebol brasileiro, o confronto entre Grêmio Foot-Ball Porto Alegrense e Sport Club Internacional, dois clubes de Porto Alegre (Rio Grande do Sul) que já se enfrentaram 383 vezes, desde 1909.


Em outubro de 2008, jornalistas nacionais e internacionais foram consultados pela revista Trivela e elegeram o Grenal como o "maior clássico do Brasil". Isto porque o Grenal praticamente divide ao meio todo o Estado do Rio Grande do Sul. Em outros estados, o número de grandes clubes chega, às vezes, até a quatro.



Grafia

Há uma controvérsia sobre a grafia correta da expressão. Alguns colorados, querendo destacar o nome do Internacional, preferem escrever GreNal ou Gre-Nal. Mas GreNal não faz sentido em qualquer regra de grafia, já que não existe maiúscula no interior da palavra. A forma Gre-Nal reproduz a fórmula adotada por outros clássicos do futebol brasileiro, como Fla-Flu, San-São, Ba-Vi, Vi-Rio, etc. Mas a maiúscula na partícula "nal" não se justifica, por não se tratar da sílaba incial do nome do clube (InternacioNAL), ao contrário de FLUminense, SÃO Paulo ou BAhia. O mesmo raciocínio vale para o uso do hífen: se "nal" é uma terminação, é mais lógico que ela seja aglutinada à partícula inicial, sem hífen. Como no caso de outros clássicos brasileiros: Atletiba, Paratiba, etc.

Seguindo este raciocínio, a grafia mais recomendada é justamente Grenal, conforme as três edições do mais importante livro sobre o clássico: "A História dos grenais", de David Coimbra, Nico Noronha, Mário Marcos de Souza e Carlos André Moreira (edições de 1994, 2004 e 2009). Apesar de que a forma Gre-nal segue sendo utilizada por boa parte da imprensa.

Histórico

A expressão Grenal surgiu em 1926, quando o jornalista Ivo dos Santos Martins (torcedor do Grêmio), cansado de ter de escrever por extenso os longos nomes dos dois clubes, criou o termo. Já o ex-governador do Rio Grande do Sul e patrono do Internacional, Ildo Meneghetti, definiu o clássico de forma tautológica: "Grenal é Grenal".

Fundado seis anos antes, o Grêmio liderou com folga as estatísticas de Grenais nos primeiros anos de disputa, tendo vencido o primeiro Grenal da história pelo placar de 10 a 0, em 18 de julho de 1909, sendo cinco gols marcados pelo alemão Edgar Booth, o qual é também o autor do primeiro gol da história do clássico.

O Internacional assumiu a vantagem no número de vitórias no Grenal de número 89 (Internacional 4x2 Grêmio), disputado em 30 de setembro de 1945, na época do "Rolo Compressor", e nunca mais foi superado. Na ocasião, o clube passou a ter 38 vitórias no clássico, contra 37 do Grêmio e 14 empates.

O Grêmio só se reergueu quando finalmente aboliu o preconceito racial. O passo inicial fora dado em 1952, quando o presidente Saturnino Vanzelotti contratou Tesourinha, que havia sido ídolo no rival. Meses depois, Vanzelotti contrataria Foguinho como técnico e, com um time cheio de negros, o Grêmio conquistou 12 campeonatos gaúchos em 13 anos.

Boa parte da atual vantagem colorada também foi construída no período de 1969 a 1976, com a construção do Estádio Beira-Rio e a montagem de um dos maiores times da história do Internacional. Naquele período, foram disputados 40 confrontos, com o Inter tendo vencido 18, empatado 18 e perdendo apenas 4 jogos, ficando invicto por 17 partidas (17 de outubro de 1971 a 13 de julho de 1975), o maior período de invencibilidade dos Grenais. Já o maior período de invencibilidade do Grêmio foi entre 16 de junho de 1999 e 28 de outubro de 2002, quando chegou a ficar 13 jogos invicto.

No início dos anos 1980, a vantagem do Internacional chegou a ser de 31 clássicos. Em 2002, a diferença chegou a cair para 15 jogos, mantendo-se atualmente em 24 vitórias a mais para o Internacional.

O maior número de vitórias consecutivas é do Grêmio, com 6 vitórias consecutivas, que conseguiu esta façanha 4 vezes, sendo a última em 1977-78. Já a maior sequência do Internacional é de 5 vitórias consecutivas, feito que conseguiu 4 vezes, sendo a última em 1974-5.

Enquanto o Grêmio conseguiu vencer ao Internacional, por mais de 2 gols de diferença, 8 vezes no Estádio Olímpico e apenas 1 vez no Estádio Beira-Rio, o Internacional, por sua vez, venceu 3 vezes no Olímpico e apenas 1 no Beira-Rio[10]. De fato, o Internacional passou 40 anos (entre 1954 e 1994) sem golear o Grêmio. E somente 39 anos após a fundação do Estádio Beira-Rio, o Internacional conseguiu golear o rival em seu estádio.

Após décadas de um processo popularmente conhecido no Rio Grande do Sul como "gangorra". (quando um dos dois clubes encontra-se em boa fase e o outro em um mau momento, e vice-versa), o ano de 2006 foi atípico. No Campeonato Brasileiro, o Inter terminou na segunda colocação na classificação geral, enquanto que o Grêmio terminou em terceiro, proporcionando aos dois clubes participarem juntos, pela primeira vez, da Taça Libertadores da América do ano seguinte.

Confrontos históricos

Grenal dos 10 a 0

Em 21 de junho de 1909, quatro representantes do Internacional reuniram-se com os representantes do Grêmio na sede da Sociedade Leopoldina Porto Alegrense, para tratarem do primeiro confronto entre os dois clubes. O Internacional, fundado dois meses antes, convidaria o Grêmio para ser o seu primeiro adversário. A partida inicialmente seria realizada em 27 de junho. Com a proximidade de um jogo com o Fuss-Ball, previamente marcado, o então presidente do Grêmio, major Augusto Koch, declarou que sua equipe enfrentaria o Internacional com o segundo quadro (time reserva). Os dirigentes do Internacional, por sua vez, não aceitaram e exigiram que seu adversário jogasse com o time principal. A diretoria gremista concordou. Porém, como a agenda do clube estava lotada, a partida seria realizada somente no mês seguinte.

O primeiro Grenal da história ocorreu no dia 18 de julho de 1909, em um domingo, no Estádio da Baixada (que pertencia ao Grêmio). Às 15 horas e 10 minutos, as duas equipes entraram no campo da Baixada, precedidas pelos respectivos presidentes e pela banda da Brigada Militar. Os jogadores do Grêmio trajavam camisa dividida verticalmente em metade azul e metade branca, com calções pretos. Já os do Internacional vestiam camisa listrada verticalmente em vermelho e branco, com calções brancos. O público presente era estimado em duas mil pessoas.

O árbitro da partida foi Waldemar Bromberg, sendo juízes de linha João de Castro e Silva e H. Sommer, e juízes de gol Theobaldo Foernges e Theodoro Bugs. Os juízes de gol ficavam sentados num banquinho ao lado das goleiras, indicando se a bola entrava ou não no gol, pois na época não havia redes nas goleiras.

O pontapé inicial fora dado por Edgar Booth que, aos 10 minutos, marcou o primeiro gol do jogo e da história do clássico. Booth ainda marcou mais quatro gols, sendo o restante dos tentos marcados por Júlio Grünewald (4 gols) e Moreira (1 gol), totalizando o placar em 10 a 0 para o Grêmio, a maior goleada da história dos Grenais.

Amistoso

18 de julho de 1909

Grêmio

10 – 0 Internacional

Baixada, Porto Alegre


Booth

Grünewald

Moreira Relatório

Árbitro: Waldemar Bromberg

Auxiliares: João de Castro e Silva e H. Sommer (juízes de linha), Theobaldo Foernges e Theodoro Bugs (juízes de gol)

Grêmio: Kallfelz; Deppermann e Becker; Karls, Black e Mostardeiro; Brochado, Grünewald, Moreira, Booth e Schröder.

Internacional: Luiz Poppe; Portella e Simoni; Vignoles, Pires e Wetternich; José Poppe, Carvalho, Cezar, Mendonça e Carvalho.

Grenal 11

O Grenal 11 aconteceu no dia 4 de agosto de 1918 na Baixada. O Grêmio vencia por 1 a 0, até os 43 minutos do primeiro tempo, quando estourou a primeira grande briga no clássico, após nove anos de sua primeira edição. Um torcedor gremista, Manoel Costa, funcionário da Empresa Telefônica Rio-Grandense, deu uma facada de 15 centímetros no quadril direito do ponteiro-esquerdo do Inter, Álvaro Ribas. Ribas, que já tinha abandonado o futebol, e voltara atendendo apelos dos seus companheiros, passou duas semanas hospitalizado, e nunca mais jogou.

A Associação Porto Alegrense de Desportos, APAD, determinou, então, a disputa do tempo restante, mas o Grêmio se recusou a jogar. Assim, o Conselho Superior da entidade decidiu atribuir a vitória e os pontos em disputa ao Inter (resultado que inclusive deu o campeonato portoalegrense de 1918 ao Cruzeiro). Desse modo, o Inter tem, na estatística, uma vitória a mais e uma derrota a menos: 144 vitórias, 118 derrotas, 117 empates. A história pode ser confirmada nas coleções dos jornais da época, e no livro Álbum Esportivo do Rio Grande do Sul, publicado em 1937.

Campeonato Citadino

4 de agosto de 1918

Grêmio

1 – 0 Internacional

Baixada, Porto Alegre


Garibotti 35' Árbitro: Oscar Fontoura

Auxiliares:

Grêmio: Kuntz; Garibotti e Py; Pavani, Dorival e Chiquinho; Zamela, Franco, Gertum, Scalco e Bruno.

Internacional: Bicca; Bello e Dorval; Evodio, Mário Cunha e Bitu; Crespo, Ribas, Godinho, Bento e Guimarães.

Grenal Farroupilha

Para os gremistas, este foi o verdadeiro "Grenal do Século". Disputado em 22 de Setembro de 1935, ano do centenário da Revolução Farroupilha, o clássico foi válido pela última rodada do Campeonato Citadino. O Internacional chegara à partida decisiva um ponto à frente do rival e o empate garantiaria-lhe o título e a vaga para o campeonato estadual.

A partida foi equilibrada, como a maioria dos clássicos. O tempo passava e o placar permanecia 0 a 0. Aos 38 minutos do segundo tempo, numa falta lateral, o Grêmio teve o que parecia ser sua última chance. Cobrado o tiro livre, o zagueiro colorado Risada subiu mais alto que os atacantes tricolores e testou a bola para frente… nos pés de Foguinho, meio-campista do Grêmio, que já esperava o rebote. O chute saiu certeiro: Grêmio, 1 a 0! Dois minutos depois, num contra-ataque, o ponta-direita Laci ainda fez o segundo gol do Grêmio.

Mesmo tendo perdido o campeonato estadual para a equipe do 9º Regimento, de Pelotas (que, em função disso, passou a chamar-se Farroupilha), o título metropolitano foi considerado tão importante que os atletas e a direção do Grêmio juraram comemorá-lo por 100 anos. Promessa cumprida à risca até hoje.

O "Grenal Farroupilha" também foi marcado como a última partida do goleiro Eurico Lara pelo Grêmio. Debilitado por problemas de saúde, ele atuou durante o primeiro tempo. Viria a falecer alguns meses depois. O craque foi imortalizado no hino do clube.

Grenal dos 6 a 0

De acordo com o livro "A História dos Grenais", o início da era do "Rolo Compressor" começou a ser marcado num grenal amistoso, válido pela "Taça Martel", disputado no dia primeiro de novembro de 1938. Seria a despedida do craque gremista Luiz Carvalho, e o jornal Correio do Povo daquele dia anunciava o "choque sensacional entre a technica tricolor e o tradicional sangue colorado".

Em campo, os "diabos rubros" (segundo o Correio do dia seguinte, dia de finados) ganharam por 6 a 0 "e o árbitro Álvaro da Silveira ainda anulou cinco gols, alegando que dois haviam sido feitos com a mão e nos outros três os atacantes estavam impedidos." Ainda de acordo com o livro de David Coimbra, ao final do jogo houve um diálogo entre "o indignado presidente do Inter Ildo Meneghetti" e o árbitro, nos seguintes termos: "Por que anulaste tantos gols?" "Era muito gol para um grenal".

Grenal dos 7 a 0

O Internacional aplicou uma goleada de 7 a 0 no Grêmio em 1948, na partida final do campeonato da cidade de Porto Alegre. O jogo foi realizado no campo do clube tricolor. Era a época do "Rolo Compressor". Alguns nomes haviam mudado, mas a base de Ivo, Nena, Abigail, Tesourinha e Carlitos estava mantida. Para completar, o Tricolor ficou irritado com uma marcação do árbitro no jogo anterior, e ainda colocou time misto em campo, deixando alguns titulares para um amistoso em Curitiba.

A rapidez das jogadas e os arremates fortes do Colorado fizeram a rede do Grêmio balançar sete vezes com gols de Villalba (4), Carlitos (2) e Roberto (1).

Até hoje, esta é a maior goleada da história do Internacional sobre o rival. Sendo que desde a profissionalização do futebol no estado, essa é a maior goleada em Grenais.

O Inter jogou com: Ivo; Nena e Ilmo; Alfeu, Vianna e Abigail; Tesourinha, Beresi, Villalba, Roberto e Carlitos. Técnico: Carlos Volante.

Grenal de inauguração do Estádio Olímpico

Era setembro de 1954 e o Grêmio realizou um festival de inauguração de seu novo estádio, o Estádio Olímpico que mais tarde veio a ser reinagurado com o nome de Estádio Olímpico Monumental. A partida inaugural do estádio já havia ocorrido em confronto amistoso com o Nacional de Montevidéu, com vitória gremista pelo placar de 2 a 0.

O Internacional fora convidado para o festival de inauguração do Olímpico, juntamente com o Liverpool do Uruguai. Após vitória sobre os uruguaios por 4 a 0, o Internacional enfrentou seu maior rival no dia 26 de setembro. A partida foi apitada pelo árbitro uruguaio Carlos Alberto Vigorito.

O Grêmio começou bem e aos sete minutos fazia 1 x 0, gol de Sarará cobrando falta. O Internacional demorou mas empatou aos 33 minutos do primeiro tempo, gol de Jerônimo, também de falta. O primeiro tempo estava perto do fim e Larry desempatou: Grêmio 1 x 2 Internacional.

No segundo tempo Larry voltou inspirado e logo no início veio com a bola lá de seu campo com Ênio Rodrigues no seu encalço, chegando na área Larry ameaça bater, Ênio tenta o carrinho e Larry puxa a bola deixando-o deitado, daí com um toquinho faz o terceiro. Grêmio 1 x 3 Internacional.

O quarto gol não demora a sair. Luizinho recebe a bola e sai em velocidade, Ênio corre para marcá-lo, mas Luizinho deixa a bola, Ênio não percebe e continua correndo atrás dele, aí Canhotinho, sem marcação, veio de trás e bateu. 1 x 4

O Internacional ainda teve tempo de fazer mais 2, ambos de Larry. O Grêmio descontou com Zunino.

Grêmio 2 x 6 Internacional

• Data: 26/09/1954

• Local: Estádio Olímpico

• Arbitragem: Carlos Alberto Vigorito

• Gols: Sarará, Zunino, Larry (4), Jerônimo e Canhotinho.

• Grêmio: Sérgio, Ênio Rodrigues, Orli, Roberto, Sarará, Itamar, Tesourinha, Milton, Camacho (Vítor), Zunino e Torres (Delém).

• Internacional: Milton, Florindo, Lindoberto, Oreco, Salvador, Odorico, Luizinho, Bodinho, Larry, Jerônimo e Canhotinho.

Grenais em Campeonatos Brasileiros

O primeiro Grenal válido pelo Campeonato Brasileiro foi vencido pelo Internacional, em 17 de outubro de 1971. O Grêmio estava invicto há 4 Grenais somente naquele ano, apesar de o Inter ter conquistado o tri-campeonato gaúcho em julho. Três meses depois, na 15ª rodada do Brasileirão, o Inter ganhou por 1 a 0, gol de Sérgio "Galocha". Foi o começo da maior série invicta na história dos Grenais, que só seria interrompida 45 meses depois.

Grenal que aposentou o uniforme do Inter

Em 6 de novembro de 1977 o inter estrearia em um grenal seu novo uniforme, uma inovação em termos das cores adotas, um modelo sem a presença da cor branca, sendo totalmente vermelho (camiseta, calção e meias da mesma cor). O jogo ocorreria no Beira-Rio, pois, na época, o regulamento do Brasileirão exigia que os clássicos regionais fossem disputados no maior estádio de cada cidade, por isso os Grenais ocorriam sempre no Beira-Rio.

Porém a animação pelo uniforme novo e o fato de jogar em casa não se confirmaram durante a partida. O placar final terminou em uma goleada para o Grêmio de 4x0 em cima do Internacional.

A frustração por ter sido goleado dentro de seu próprio estádio e em plena estréia do novo uniforme, fez com que o mesmo nunca mais fosse utilizado.

Grenal do Século

Foi assim denominada a partida entre Grêmio e Internacional válida pela semi-final do Campeonato Brasileiro de 1988, em 12 de fevereiro de 1989. A importância desta partida era realmente extraordinária, já que valia a classificação para a decisão do campeonato brasileiro (contra o vencedor de Bahia x Fluminense) e ainda a vaga na Taça Libertadores da América daquele ano.

A partida terminou com vitória do Internacional por 2-1, de virada e com um jogador a menos em campo (o lateral Casemiro fora expulso ainda no primeiro tempo). Marcos Vinícius marcou para o Grêmio aos 25 minutos de jogo. Na segunda etapa, o centroavante Nílson marcou duas vezes para o Internacional, aos 16 e aos 26 minutos. Nilson foi considerado o grande herói do jogo, pois além de ter feito os dois gols, jogou machucado.

Este foi o Grenal número 297, foi disputado no Estádio Beira-Rio e teve o maior público de Grenais em Campeonatos Brasileiros até hoje: 78.083 pagantes.

O livro "O Segundo tempo", de Michel Laub (Editora Companhia das Letras, São Paulo, 2006), conta uma história fictícia que se passa durante o "Grenal do século".

Grenal dos 5 a 2

O Grenal número 335 foi disputado pelo Campeonado Brasileiro de 1997 e ficou conhecido como o Grenal dos 5 a 2, alcunha devido ao resultado do jogo, a favor do Internacional. A partida, disputada no estádio Olímpico estava cercada de uma certa expectativa. De um lado, o Grêmio havia conquistado a Copa do Brasil deste ano, enquanto o Internacional era o atual Campeão Gaúcho, tendo ganho o campeonato sobre o Tricolor. Além disso, a torcida do time da casa, estava confiante, pois o clube havia contratado jogadores como Sérgio Manoel e Beto. Em contrapartida, era o Internacional que vivia um grande momento, com uma boa dupla de ataque: Christian e Fabiano.

O primeiro gol saiu de um lançamento em profundidade, que encontrou Enciso; após não dominar, o paraguaio cruzou para Christian cabecear, sem chances para Danrlei, marcando o primeiro gol colorado.

Como quase todo o Grenal, este também foi marcado pela tensão. Christian se desentendeu com Otacílio e os dois foram expulsos. Mais tarde, Fernando e André Santos brigaram e também foram excluídos da partida pelo árbitro. Desse modo, as duas equipes passaram a possuir nove homens cada em campo.

Aos 33 minutos do primeiro tempo, Fabiano recebeu a bola pela esquerda, marcado por Rivarola; após um drible, ele deixou o marcador caído e passou para Sandoval marcar o segundo gol colorado. Na segunda etapa, Fabiano fez mais um lance individual, conduzindo a bola pela esquerda e, após o afastamento parcial da bola por parte de Rivarola, o centroavante deu um passe para Marcelo, que errou o gol; porém, o mesmo Fabiano, livre, fez o terceiro tento do Internacional. O quarto gol foi novamente de Fabiano, que recebeu a bola livre pela esquerda, entrou na área e chutou em curva, sem chances para Murilo.

O Grêmio descontou com Sérgio Manoel, marcando o seu primeiro gol na partida. No entanto, ainda havia tempo para mais um gol colorado: Luciano fez uma boa jogada e tocou a bola para Marcelo marcar o quinto do Internacional. Nos acréscimos, o Grêmio ainda fez o seu segundo gol com Gilmar. Após isso, terminou-se a partida, com placar final de 5 para o Internacional e 2 para o Grêmio.

Grenal de Ronaldinho Gaúcho

Outra lembrança vitoriosa dos gremistas, esta bem mais recente, é o Grenal de 20 de junho de 1999, final do Campeonato Gaúcho, em que o jovem Ronaldo de Assis Moreira (então com 19 anos e disputando o seu terceiro clássico) levou ampla vantagem sobre a marcação do consagrado Dunga, capitão da Seleção Brasileira nas Copas do Mundo de 1994 e 1998 (inclusive aplicando-lhe um chapeuzinho). Dunga, respeitado no mundo inteiro, estava no final de sua carreira no Internacional. O jogo terminou com vitória do Grêmio por 1 a 0, Grêmio campeão, com gol de Ronaldinho Gaúcho.

Foi o Grenal n° 341, foi disputado no Estádio Olímpico e teve um público de 40.238 pagantes.

Grenal do Gol 1000

As torcidas faziam apostas para ver quem marcaria o gol mil.

O Grenal 360 recebeu então o nome de "Grenal do Gol 1.000" no dia 10 de julho de 2004. Fernandão estreando no clássico marcou o milésimo gol da história do Grenal na vitória do Internacional por 2 a 0.

Primeiro Grenal internacional oficial

No dia 15 de setembro de 2004, data de aniversário do Grêmio, houve o primeiro clássico Grenal por uma competição internacional oficial, a Copa Sul-americana. Internacional saiu-se vencedor, aplicando 2 a 0 no adversário.

Copa Sul-Americana 2004

15 de setembro de 2004

Internacional

2 – 0 Grêmio

Beira-Rio, Porto Alegre


Fernandão 21'

Chiquinho 86'

Público: 16.341 (13.384 pagantes)

Árbitro: Márcio Rezende de Freitas

Internacional: Clemer; Edinho, Vinícius e Álvaro; Elder Granja, Diego Gavilán, Marabá, Fernandão e Felipe Athirson (Chiquinho); Rafael Sóbis (Wellington) e Danilo (Diego). Técnico: Muricy Ramalho.

Grêmio: Márcio; Fábio Bilica, Felipe Baloy e Claudiomiro (George Lucas); Cocito, Leanderson, Fábio Pinto (Marcelinho), Felipe Melo e Cristiano; Cláudio Pitbull e Christian. Técnico: Cuca.

Grenal centenário

Este Grenal de número 377 foi realizado no dia 19 de julho de 2009, cem anos após a disputa do primeiro clássico. O estádio foi o Olímpico Monumental.

O jogo foi marcado por muito alarde por parte da mídia antes da partida. Dentro de campo, o Internacional abriu o marcador com um gol de Nilmar, aos vinte e quatro minutos do primeiro tempo, após uma jogada de contra-ataque originada de uma falha de Souza. O Grêmio, contudo, não tardou a responder e empatou a partida, com um gol de falta do mesmo Souza, aos trinta e cinco minutos de partida. O Grêmio continuou atacando na etapa seguinte, até que, aos vinte e cinco minutos, Maxi López cabeceou e colocou o Tricolor em vantagem. Ao final, o Grêmio sustentou o resultado e venceu o Grenal do centenário.

Campeonato Brasileiro de 2009

12ª rodada

19 de julho de 2009

Grêmio 2 – 1 Internacional

Estádio Olímpico Monumental, Porto Alegre


16h Souza 35'

Maxi López 69'

Nilmar 24'

Público: 40.020 pessoas (36.046 pagantes)

Árbitro: Leonardo Gaciba RS, auxiliado por Altemir Hausmman e José Franco Filho.

Grêmio: Victor; Mário Fernandes (Makelele), Rafael Marques, Réver e Fábio Santos; Túlio, Adílson, Souza e Tcheco; Herrera (Jonas) e Maxi López. Técnico: Paulo Autuori

Internacional: Lauro; Bolívar (Danilo Silva), Índio, Sorondo e Kléber; Sandro, Guiñazú, Andrezinho (Giuliano) e D'Alessandro; Taison (Alecsandro) e Nilmar. Técnico: Tite.

Estatísticas do Grenal

Os números e a ficha de todos os Grenais.

Último jogo considerado: Grêmio 2x2 Inter, Campeonato Brasileiro, 24 de outubro de 2010, no Estádio Olímpico Monumental.


Número de jogos: 383

Vítórias do Grêmio: 120

Vitórias do Inter: 144

Empates: 119

Número de gols: 1049

Gols marcados pelo Inter: 544

Gols marcados pelo Grêmio: 505

Segundo o jornalista e pequisador Cláudio Dienstmann, a estatística dos Grenais que é publicada pela imprensa estaria equivocada. Para Dienstmann, na verdade, o Inter tem 26 vitórias a mais em Grenais – 145 a 119, e não 144 a 120. O ponto da discórdia é o Grenal 11, interrompido no primeiro tempo por um briga enquanto era vencido pelo Grêmio, que se recusou a terminar a partida.

Hoje , dia 30 de janeiro de 2011 tem o 384º Grenal que será disputado na cidade uruguaia de Rivera válida pela 4ª rodada do 1º turno do Campeonato Gaúcho.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Muito obrigado por sua participação. Seu comentário será publicado em breve. Caso desejar comentar usando o Facebook, basta usar a caixa logo abaixo.